A história de Cardi B, a rapper que quebrou todos os paradigmas

Desde o lançamento de “Bodak Yellow”, em junho de 2017, a rapper Cardi B não saiu mais do topo, sendo um dos nomes mais citados atualmente quando o assunto é sobre mulheres de destaque no RAP.

A rapper nasceu no Bronx (NY), em 1992, e seu nome de batismo é Belcalis Almanzar. Sua mãe é de Trinidad e Tobago e seu pai da República Dominicana. Em uma entrevista no “The Tonight Show” com Jimmy Fallon, ela conta do porquê de seu nome artístico Cardi B.

“O nome da minha irmã é Hennessy, certo? Então, todo mundo costumava me chamar de Bacardi. Então, eu sempre me chamei de Bacardi. E daí meu nome no Instagram era Bacardi B, mas por alguma razão meu Instagram ficava sendo deletado. Acho que foi o Bacardi que teve algo a ver com isso então eu encurtei para Cardi B”.

Aos 16 anos Cardi B já era membro da gangue dos “Bloods”, ela trabalhava em um mercado e quando foi demitida, começou sua carreira como stripper. Ela fala abertamente sobre essa época da sua vida, e diz a experiência trouxe muitos benefícios para sua vida pessoal e profissional. Em entrevistas, a rapper conta que o salário alto a ajudou a conquistar confiança que precisava para se separar do ex namorado agressivo, o qual ela morava junto na época, e que com o emprego, ela pode voltar aos estudos também. Cardi ansiava em deixar a vida de stripper até os 25 anos, porém conseguiu aos 23.

“Não me arrependo do meu passado, pois essa experiência salvou a minha vida”.

Após a separação, ela começou a postar frequentemente no seu Instagram e Vine, com o seu carisma, bom humor e muita sinceridade, ela começou a ficar famosa na internet. Em 2015 participou do reality show “Love & Hip Hop”, do VH1, programa que acompanha mulheres da cena do rap, onde participou de inúmeras brigas, mas também mostrou seu interesse e suas intenções de entrar no mundo da música.

Depois que o reality acabou, Cardi B lançou a mixtape intitulada de “Gangsta Bitch Music” (volumes 1 e 2) e rapidamente se tornou a grande aposta da gravadora Atlantic Records, que lançou “Bodak Yellow”, a música que levou a rapper ao topo. Com o estouro do single, a artista ocupou o primeiro lugar das paradas americanas por três semanas seguidas, ultrapassando a “Despacito” lançado por Luis Fonsi e “Look What You Made Me Do” da Taylor Swift. Foi um marco memorável, já que a única vez que uma mulher rapper solo esteve no número 1 da Billboard foi em 1998, quando Lauryn Hill ficou no primeiro lugar por duas semanas com a música “Doo Wop (That Thing)”.

Em outubro de 2017 ela foi pedida em casamento pelo rapper Offset, durante uma participação que fazia em um show na Filadélfia com o grupo Migos. A relação dos  dois segue firme e forte na vida profissional e pessoal. Esse mês Cardi B rompeu as especulações que estavam rondando o casal da melhor forma possível e revelou sua gravidez para o mundo, usando um vestido branco e justo dando toda a atenção ao barrigão, durante sua apresentação no programa “Saturday Night Live”, que foi apresentado por Chadwick Boseman, de “Pantera Negra”.

Seu álbum de estreia, “Invasion of Privacy”, foi lançado no dia 06 de abril e já está batendo recordes, passando a marca de 100 milhões de reproduções na Apple Music. Com esse número, ela tornou-se a artista feminina com o álbum mais reproduzido em sua semana de estreia na plataforma de streaming. Antes dela, quem assumia a posição do recorde era Taylor Swift, com “Reputation”, mas o álbum de Cardi B registrou um número de reproduções duas vezes maior que o de Swift no mesmo período.

Como não admirar essa mulher?

Essa maravilhosa ainda tem muito para mostrar, surpreender, inspirar e, com certeza, muitos recordes para bater. Mas enquanto ela aproveita a chegada do primeiro filho, podemos aproveitar esse álbum incrível que é o “Invasion of Privacy”.

E vocês, já ouviram?